Loja Virtual

Conheça 8 tipos de estoque para e-commerce

Uma das decisões mais importantes quando falamos em gestão eficiente no mercado do e-commerce é escolher o tipo apropriado de estoque para a sua empresa. Para cumprir essa tarefa é preciso primeiramente conhecer o seu negócio, as necessidades de conservação dos seus produtos e também a logística de entrega de suas mercadorias.

Há vários tipos de estoque disponíveis no mercado, mas há aqueles que são os mais recomendados no caso de um e-commerce. Ao longo deste post vamos apresentar os tipos já direcionados ao segmento de lojas online para que você possa tomar uma decisão consciente, contribuindo positivamente com seus rendimentos. Acompanhe!

Quais os principais tipos de estoque?

Existem vários tipos de estoque que podem ser aplicados ao seu e-commerce. É importante conhecer as características de cada um a fim de descobrir qual deles é o mais indicado para o seu negócio. Entre os principais podemos citar:

1. Estoque único

Consiste em possuir um único estoque físico, gerenciado pelo empreendedor e com espaço suficiente para armazenar todos os produtos comercializados pela loja. Facilita na hora de identificar os produtos disponíveis para pronta entrega e também permite que os gestores acompanhem de perto suas movimentações.

Por outro lado, há o risco da depreciação de alguns produtos, caso haja um alto volume armazenado, e pode não ser tão estratégico dependendo de onde estão situados os pontos de venda e para quais regiões do Brasil ou mundo a empresa vende.

2. Estoque descentralizado

A diferença em relação ao primeiro exemplo é que há mais de um centro de distribuição. Eles podem estar espalhados pela mesma cidade ou em estados e regiões diferentes. Requer medidas para centralizar as mercadorias conforme as demandas e o maior controle de integração entre os pontos.

A vantagem é a agilidade na entrega, a redução dos prazos e do custo de transporte, uma vez que o ponto de partida está mais próximo do consumidor. Mas as técnicas de monitoramento e controle podem ficar comprometidas pelo fato de ser mais de um centro de distribuição.

3. Estoque terceirizado

Como o nome já diz, é quando o estoque deixa de ser gerenciado diretamente pelo dono da loja virtual e passa a ser responsabilidade de outra empresa, geralmente o fornecedor. 

É um dos modelos mais utilizados hoje em dia por eliminar custos com um estoque físico, estreitar as relações entre a empresa e o fornecedor e promover uma distribuição justa de lucros entre as duas partes. Há dois tipos de estoque terceirizado que podem ser adotados pelos empresários do e-commerce atual:

  • cross docking: é quando a empresa é efetivamente a vendedora do produto, deixando o fornecedor responsável apenas pela sua estocagem. Ou seja, o pedido é feito, a empresa solicita o produto junto ao fornecedor e ela mesma faz o envio ao cliente;
  • dropshipping: é quando a empresa age apenas como uma vitrine virtual dos produtos à venda, mas é o fornecedor que controla o estoque e se encarrega do envio das mercadorias.

4. Estoque Consignado

É um tipo de estoque em que o fornecedor fica com a propriedade dos produtos e depois os disponibiliza de acordo com a aquisição do cliente final.

Acontece da seguinte maneira: o fornecedor repassa uma parte da mercadoria em regime de consignação. A loja virtual vende esse produto para o consumidor final por um valor acima do adquirido. As duas partes — fornecedor e lojista — definem como será feito o pagamento por contrato e devolvem o que não conseguirem vender.

A vantagem desse tipo de estoque é que lojas novas podem investir menos para se tornarem competitivas, uma vez que os custos operacionais são menores. Assim, conseguem também aumentar o portfólio de produtos e alcançar um mercado mais amplo.

5. Estoque compartilhado

É quando a loja virtual também funciona como loja física e utiliza um mesmo espaço para armazenar os produtos comercializados pelos dois canais. A vantagem é a diminuição de custos, a integração no que se refere ao gerenciamento e à logística, porém é preciso organização e monitoramento, especialmente na hora de averiguar se o produto está disponível em estoque.

6. Estoque de contingência

Também conhecido como estoque de proteção, é aquela reserva que o empreendedor faz já prevendo a ocorrência de contratempos, como interrupção no abastecimento ou crescimento repentino de demanda.

Geralmente utilizado por quem tem um alto volume de vendas, é o estoque que visa encobrir eventuais falhas e evitar que a empresa fique desabastecida mesmo diante de imprevistos. Pode ser apropriado também para negócios que já têm um histórico de serem afetados com recorrência por eventualidades.

7. Estoque de antecipação

É outra maneira de se precaver com base na antecipação de situações. Datas festivas, por exemplo, são geralmente períodos em que as vendas de determinados produtos aumentam. O gestor, portanto, deve se preparar para esses momentos por meio de um estoque de antecipação.

É uma maneira de a empresa aproveitar as oportunidades favoráveis de negócios sem precisar acelerar a produtividade com urgência. Ele acaba servindo também como um estoque de emergência, que está ali disponível no caso de situações imprevistas.

8. Estoque em trânsito

É um estoque montado a partir dos produtos que estão em trânsito, prestes a serem entregues pela transportadora. O sistema leva em consideração exclusivamente o período em que as mercadorias ficam dentro dos veículos, o que vai variar de acordo com o fluxo de vendas de cada negócio.

Ter esse tipo de estoque é interessante, pois permite um planejamento maior de entradas e saídas de cada item comercializado, evitando prejuízos. Mas, para tanto, é preciso haver um controle eficiente sobre o sistema.

Qual tipo escolher?

Escolher entre os tipos de estoque disponíveis para o seu e-commerce passa, antes de mais nada, por um conhecimento profundo das características do seu negócio. É preciso identificar qual a realidade financeira e estrutural de sua empresa, o que inclui aspectos internos e externos, compreendendo clientes, parceiros e fornecedores.

Só assim, será possível tomar uma decisão informada e que realmente se adeque às suas necessidades. Veja abaixo alguns dos principais pontos que precisam ser avaliados:

  • o modelo de negócio adotado e seus objetivos de mercado;
  • o estágio em que se encontra;
  • a quantidade de itens vendidos;
  • a rotatividade;
  • o ciclo de vendas;
  • o sistema de gestão;
  • o orçamento disponível;
  • a região em que se concentra o público-alvo.

Como decidir o tipo de estoque?

Fazendo uma análise desses pontos o empreendedor já consegue ter um panorama mais claro dos tipos de estoque que vão ser apropriados para o seu negócio. Como vimos acima, existem aqueles que requerem pouco investimento inicial, mas podem comprometer a lucratividade em razão dos custos com a terceirização.

Somente o investimento inicial, portanto, não serve como parâmetro para decisões finais acerca desse tema. Os gestores devem entender que a gestão de armazenamento é muitas vezes considerada o coração de uma empresa, sendo diretamente responsável por seu sucesso ou fracasso.

Escolher os tipos de estoque é uma tarefa de grande relevância, mas que pode ser cumprida com facilidade desde que exista uma estratégia sólida, baseada nas necessidades do negócio e de seus consumidores.

Se achou o conteúdo útil, deixe um comentário neste post para que a gente continue interagindo sobre o mundo do e-commerce!

Você pode gostar também

Nenhum comentário

Deixe uma resposta